agosto 15, 2019 Por Haras Vista Verde

Argentina, a grande Argentina!

Que dó eu tenho da Argentina.

Que dó estou dos meus amigos Argentinos, do que está por vir naquele país.

argentina bandeiraTalvez ninguém conheça a Argentina como eu.

Durante mais de 5 anos, eu ia praticamente todos os meses a Buenos Aires onde tínhamos um centro de Distribuição da Marcyn, uma equipe de 8 vendedores, 1 gerente e quase 400 clientes.

Até que o “populismo” acabou com a economia da Argentina.

O populismo incentiva o “pão e circo” e por isso é aplaudido pelas populações mais pobres.

Alguém tem que pagar a conta.

Benefícios sociais são pagos por alguém. Ou pelos que trabalham ou a custa de endividamento insustentável do país.

Foi o que aconteceu e o que acontecerá por lá.

Todos gostam de benefícios: energia e combustível barato, aposentadorias, seguros, multas nas demissões: alguém vai pagar a conta.

Este tempo está para voltar na Argentina, que dó!

É por isso que tantos criticam quando o Presidente Bolsonaro fala as verdades que todos gostaríamos de falar, mas não falamos, porque não é “politicamente correto”.

Fala que o Rio Grande do Sul será a nova Roraima. Milhares de Argentinos, assim como os Venezuelanos, virão buscar refúgio no Brasil.

Ele fala que a multa de 40% impede contratações.

Corta patrocínios, cabides de emprego, privatiza, reforma a Previdência. Ações essenciais para a organização financeira do país.

Os que vivem nas “tetas” do governo gritam e reclamam.

Não há opção: ou “mais emprego e menos benefícios ou mais benefícios e menos empregos. Esta é a escolha: milagre não existe.

Ou fecha a torneira de gastos ou o país quebra. Em casa é igual: ou gasta menos ou se endivida e não consegue pagar os juros.

A liderança com responsabilidade é difícil, porque os liderados gostam de “pão e circo”.

Que dó estou da Argentina…

Que medo tenho dos populistas brasileiros, que nunca trabalharam ou fizeram contas para conseguir chegar ao fim do mês: SEM DÍVIDAS!

Postado em: América do Sul
Marcado com: ,

Nenhum Comentário »

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário